E AGORA, COMO FICA A CULTURA NO NOVO GOVERNO?
Henrique Medeiros Pires - foto divulgação do site do Ministerio da Cidadania.

E AGORA, COMO FICA A CULTURA NO NOVO GOVERNO?

cultura no novo governo
Henrique Medeiros Pires – foto divulgação do site do Ministerio da Cidadania.

Henrique Medeiros Pires é o novo coordenador da pasta da cultura no novo governo do Brasil. Empossado como “SECRETÁRIO ESPECIAL DA CULTURA” o gaúcho, que é graduado em Estudos Sociais pelo Instituto de Ciências Humanas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel – RS) e com especialização em formulação de políticas públicas pela Universidade de Salamanca (Espanha) estará na pasta do Ministério da Cidadania para coordenar a cultura.

Na UFPel (Universidade Federal de Pelotas), foi diretor do Departamento de Arte e Cultura e atuou na criação dos cursos superiores de Cinema e Animação e Teatro. Também foi secretário municipal de comunicação de Pelotas e dirigiu fundações de cultura, entre elas o Instituto João Simões Lopes Neto. Henrique Medeiros Pires ainda presidiu a extinta Fundapel e foi coordenador de feiras de livros, festivais de teatro, dança e artes visuais, e um dos responsáveis pela preservação de sítios históricos no Rio Grande do Sul.

A LEI ROUANET NÃO VAI ACABAR

Já em sua fala fez um discurso agregador e sem ameaças “A ideia é pacificar para que as pessoas possam empreender”, disse ele. Mas também prometeu, o que é muito bom pra classe artística, maior controle dos recursos da Lei Rouanet mas que não há a intenção de acabar com ela.

Para a cultura é uma boa notícia saber que o secretário é alguém da área e que já trabalhou diretamente com a produção cultural. Porque está familiarizado com as artes, artistas, produtores, dificuldades e reivindicações da classe.

Apesar de ter perdido o status de “Ministério” a secretaria continua, segundo o site do Ministério da Cidadania, com as políticas outrora do Ministério da Cultura. A cultura no novo governo aparentemente não será prejudicada como muitos pensavam.

O Ministério da Cidadania foi assumido por Osmar Gasparini que já atuava no Ministério do Desenvolvimento Social. Para este ministério, além da cultura, foi também a Secretaria Especial do Esporte e a Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, que também perderam o status de ministério.  Pelo menos no discurso e no que consta no site não haverá grandes mudanças e os principais projetos continuam em funcionamento.

A CULTURA NO NOVO GOVERNO

Na secretaria especial da Cultura a base de orientação utilizará uma das ferramentas do poder público na formulação de políticas culturais que é o Plano Nacional de Cultura (PNC), e que foi elaborado em parceria com a sociedade civil. O plano baseia-se na concepção de cultura articulada em três dimensões: simbólica, cidadã e econômica.

Segundo informações estão trabalhando em uma nova Instrução Normativa para a Lei Rouanet e terminando de preparar as orientações pela mudança de governo.

Mas, por enquanto nenhuma grande alteração para a cultura. No novo governo, com toda essa movimentação, pelo menos por enquanto, está tudo normal. Há promessa de maior agilidade e um comprometimento com a nossa produção cultural. O site continua o mesmo com suas devidas modificações www.cultura.gov.br.

Só que precisamos sempre estar atentos e participar das ações, publicações, alterações e outras atividades da cultura. Nacional, estadual e municipal. Se não participamos, se não opinamos, temos que aceitar o que é feito por quem lá esteve.

CULTURA É UM BOM NÉGÓCIO

E para finalizar os números da Cultura e da Lei Rouanet para entendermos e propagarmos que SIM, CULTURA É UM BOM NEGÓCIO. Bom negócio para todos e não só para artistas e produtores. Que a cultura no novo governo continue sendo fomentada.

  • 12.594 proponentes conseguiram captar recursos para realizar seus projetos culturais
  • 12.071 empresas e contribuintes patrocinaram algum projeto via renúncia fiscal
  • A indústria criativa é responsável por 2,64% do PIB nacional
  • Setor é composto por quase 240 mil empresas
  • 1.000.000 de empregos diretos gerados
  • R$ 10,5 bilhões em impostos por ano
  • 9,1% de crescimento médio anual, entre 2012 e 2016
  • Mais de 3,3 bilhões de ingressos gratuitos para espetáculos teatrais, shows, workshops, museus e exposições, de 2014 a 2018

Desejo ao secretário um ótimo governo, muito sucesso, muita luz na sua gestão e que a cultura e a arte sejam cada dia mais valorizadas e reconhecidas em sua importância.

Até a próxima semana. Compartilhe esta publicação pois CONHECIMENTO TEM QUE CIRCULAR

Deixe uma resposta

Fechar Menu